(19) 3814-3400 (Recepção)
(19) 3814-3400 (Recepção)

DIA DAS MULHERES


Hoje, no Dia Internacional das Mulheres, queremos agradecer a cada mulher que contribui para construir uma sociedade mais igualitária e mais justa para todas e para todos. Em especial, as mulheres que fazem parte da equipe do Hospital 22 de Outubro.

Neste dia especial, conversamos com as mulheres que trabalham no hospital sobre alguns assuntos, como as dificuldades que enfrentam na sociedade, por ser mulher e o reconhecimento de sua profissão. Confira essa entrevista nos próximos posts e em nosso site: www.hospital22deoutubro.com.br/ 


 

Vilma Ferreira Sato
Coordenadora Administrativa
Trabalha no Hospital 22 de Outubro há 3 anos e meio 

O que é ser mulher para você?
“Ser doce e ao mesmo tempo forte. ”

Qual as dificuldades que você enfrenta na sociedade por ser mulher?
“A sociedade precisa, de maneira geral, aceitar que a mulher vem ocupando, de modo exemplar, espaços que antes só eram ocupados por homens. ”

Você se sente apoiada por exercer a sua profissão?
“Sim, sou apoiada e reconhecida. ”

A falta de oportunidades para as mulheres no mercado de trabalho, muitas vezes são baixas, por conta do estereótipo que se fazem da mulher. Alguma vez você já foi recusada em um emprego por ser mãe, mulher?
“Nunca fui recusada, acredito que na minha área a mulher faz a diferença. ”

Em seu ponto de vista, como podemos fazer uma sociedade mais igualitária nos direitos entre homens e mulheres?
“Essa visão de diferenças vem sendo equalizada, embora lentamente. Podemos nos capacitar mais, nos atualizar o tempo todo, pois as mudanças estão acontecendo numa velocidade assustadora. ”

 


Daniele Roisin Noronha
Auxiliar Administrativa
Trabalha no Hospital 22 de Outubro há 6 anos 

O que é ser mulher para você?
“É ter habilidade para ser multifuncional, ter gingado para todas as situações de salto alto, sapatilha ou com pés descalços. ”

Qual as dificuldades que você enfrenta na sociedade por ser mulher?
“O fato de trabalhar muito para cuidar da minha vida, ainda é criticado, porque para muitos eu deveria estar procurando alguém para cuidar de mim. Muitas mulheres acham isso também. ”

Você se sente apoiada por exercer a sua profissão?
“Aqui, no 22 de Outubro, sim. Meus superiores são muito humanos e tenho muito apoio.”

A falta de oportunidades para as mulheres no mercado de trabalho, muitas vezes são baixas, por conta do estereótipo que se fazem da mulher. Alguma vez você já foi recusada em um emprego por ser mãe, mulher?
“Ahhhh, já né! Que mulher, nunca? Principalmente, por ser mãe. Eu sempre tive medo de me tornar mãe, justamente, por ver o que acontecia com outras mulheres, ao meu redor.”

Em seu ponto de vista, como podemos fazer uma sociedade mais igualitária nos direitos entre homens e mulheres?
“Acho que atualmente é hipocrisia menosprezar os talentos, já que um depende do outro. Mas a consciência deve vir de dentro dos lares, desde cedo, ensinando valores sem um diminuir o outro, apesar das limitações que todos (homens e mulheres) têm.” 



Jeane de Andrade Stefanini
Agendamento de exames
Trabalha no Hospital 22 de Outubro há 1 ano e 4 meses 

O que é ser mulher para você?
“Bom, eu poderia elencar diversos adjetivos ou pontos positivos em ser mulher, mas no contexto atual, significa coragem, força e resistência. Com muita luta, a mulher conquistou o direito à liberdade de escolha para ser ouvida, sem que sofra retaliação ou diminuição. Para mim, ser mulher é ser cada dia mais guerreira e batalhadora. ”

Qual as dificuldades que você enfrenta na sociedade por ser mulher?
“Apesar das mudanças e das conquistas dos últimos anos, a vida ainda é um pouco difícil para o sexo feminino. Muitas vezes, as pessoas não enxergam a mulher com a capacidade real que ela tem, hoje, em pleno século 21, ainda é preciso lidar com olhares tortos da sociedade, mas com passar dos anos venho percebendo que a mulher não cuida só da casa, marido e filhos, pelo contrário, faz todas essas tarefas e ainda estuda e trabalha fora para ajudar o marido nas conquistas do dia a dia também”

Você se sente apoiada por exercer a sua profissão?
“Em relação ao trabalho, infelizmente nem todas as mulheres têm  o reconhecimento na indústria, mas acho que ainda há muito para melhorar, existe ainda a desigualdade entre os homens e as mulheres que é bastante no Brasil. Percebo que tem tido um aumento na contratação de mulheres, acho particularmente  que as mulheres contribuem com suas habilidades para o sucesso das empresas, elas lidam bem com os desafios do dia a dia, no ambiente de trabalho, sinto que a sociedade tem dado uma atenção maior para as mulheres sim, em suas profissões nos dias de hoje.”

A falta de oportunidades para as mulheres no mercado de trabalho, muitas vezes são baixas, por conta do estereótipo que se fazem da mulher. Alguma vez você já foi recusada em um emprego por ser mãe, mulher?
“O tempo passa, mas os empecilhos são os mesmos. A maioria das mulheres que são mães encontram mais dificuldades sim, no mercado de trabalho, particularmente, eu já passei por isso, mas, não se deve desistir, deixar de ter ambições próprias, enfrentar julgamentos e aceitar ajuda, precisamos realizar nossos sonhos, até mesmo para dar condições melhores para nossos filhos.”

Em seu ponto de vista, como podemos fazer uma sociedade mais igualitária nos direitos entre homens e mulheres?
“Com o passar dos anos, os benefícios da igualdade de direitos vão ficando evidentes. As mulheres ainda enfrentam problemas como a discriminação de gênero, o assédio, a imposição de padrões de beleza e o machismo que ainda estão presentes nas empresas. As mulheres em geral têm um jeito especial para comandar seus negócios, acredito que para mudar esse cenário, é pela mudança cultural na sociedade, que é possível por meio da educação”



Lara Avelar da Silva Vinagre
Técnica de enfermagem, sala de vacina
Trabalha no Hospital 22 de Outubro há 4 anos 

O que é ser mulher para você?
É ser mais capaz, mais forte, determinada e ao mesmo tempo mais sensível e sensitiva, empática que pode existir.

Qual as dificuldades que você enfrenta na sociedade por ser mulher?
A diferença no tratamento e no preço em serviços, em que os homens utilizam com mais frequência (mecânico por exemplo).

Você se sente apoiada por exercer a sua profissão?
“Sim. ”

A falta de oportunidades para as mulheres no mercado de trabalho, muitas vezes são baixas, por conta do estereótipo que se fazem da mulher. Alguma vez você já foi recusada em um emprego por ser mãe, mulher?
“Não, graças a Deus. ”

Em seu ponto de vista, como podemos fazer uma sociedade mais igualitária nos direitos entre homens e mulheres?
“Mudando principalmente a forma como são criados os meninos. E dando oportunidades trabalhistas com mesmo salário, concedendo o direito de escolha da mulher sobre o que fazer com o seu corpo sem precisar da autorização do companheiro/marido. Como eles têm sem precisar da nossa autorização. ” 



Lilian Cabral dos Santos Messias
Governanta
Trabalha no Hospital 22 de Outubro a 13 anos

O que é ser mulher para você?
“Ser mulher é ter que mostrar o tempo inteiro que é capaz! É provar que consegue acumular as atividades profissionais e pessoais e sair tudo perfeito. É sempre estar representando, é ter menos, mesmo sendo mais. Ser mulher é ser força, determinação, coragem, luta e garra! Ser mulher é sair para conquistar o mundo e sorrir, após chegar em casa e ter os seus.”

Qual as dificuldades que você enfrenta na sociedade por ser mulher?
“Se reafirmar! Confirmar sempre que não existe sexo frágil, "provar" a todos tudo, o tempo inteiro.”

Você se sente apoiada por exercer a sua profissão?
“Hoje consigo me sentir respeitada em meu ambiente de trabalho. ”

A falta de oportunidades para as mulheres no mercado de trabalho, muitas vezes são baixas, por conta do estereótipo que se fazem da mulher. Alguma vez você já foi recusada em um emprego por ser mãe, mulher?
“Particularmente, nunca passei por essa situação. Mas, pessoas próximas já tiveram recusas, por serem mulheres. ”

Em seu ponto de vista, como podemos fazer uma sociedade mais igualitária nos direitos entre homens e mulheres?
“Não precisando ter essa diferença, não se fazendo diferença, contratar, promover, reconhecer, sem levar em consideração a vida pessoal (marido, filhos, casa), o que vale de fato é o quanto somos profissionais, na maioria das vezes, com excelência. ” 



Lucimara Aparecida Felippette Nascimento
Assistente Administrativo
Trabalha no Hospital 22 de Outubro há 5 anos

O que é ser mulher para você?
“Ser mulher para mim é um privilégio, uma dádiva de Deus, pois nunca tive a ideia “noção” do quão forte poderia ser diante de tantos afazeres, encargos, compromissos, obrigações. Trabalhamos em casa e fora, sempre buscando a perfeição.
A mulher para mim é um sinônimo de fortaleza ao mesmo tempo fragilidade. Choramos e rimos na mesma proporção.
E o que mais me faz feliz de ser mulher é o poder de gerar a vida, que quando nascem o coração sai do peito, um amor incondicional, dom maior o de ser “mãe”. ”

Qual as dificuldades que você enfrenta na sociedade por ser mulher?
“Sentir-se incomodada por olhares e cantadas machistas, acho uma falta de respeito. ”

Você se sente apoiada por exercer a sua profissão?
“Sim. ”

A falta de oportunidades para as mulheres no mercado de trabalho, muitas vezes são baixas, por conta do estereótipo que se fazem da mulher. Alguma vez você já foi recusada em um emprego por ser mãe, mulher?
“Não, porém muitas mulheres foram. ”

Em seu ponto de vista, como podemos fazer uma sociedade mais igualitária nos direitos entre homens e mulheres?
“A mudança depende da construção de uma nova consciência social, em que os homens e as mulheres tenham os mesmos direitos, deveres e oportunidades, isso ocorre através da educação cultural dentro das escolas, dentro de casa com a família e nas empresas, através dos cargos e dos salários igualitários. ”