(19) 3814-3400 (Recepção)
(19) 3814-3400 (Recepção)

Entrevista com o Dr. Guilherme Philomeno Padovani

Novembro é um mês para a conscientização sobre o câncer de próstata. No Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens. É importante a descoberta do câncer na fase inicial, para isso é necessário estar em dia com seu médico, pois esse câncer não apresenta sintomas, quando alguns sinais começam a aparecer, cerca de 95% dos tumores já estão em fase avançada. 
Desta forma, o Hospital 22 de Outubro vem promovendo a campanha Novembro Azul em suas mídias sociais, visando combater ao câncer de próstata, com publicações educativas. 
O Hospital 22 de Outubro convidou o médico urologista, Dr. Guilherme Philomeno Padovani, para que ele pudesse responder as principais dúvidas sobre o câncer de próstata. 


Novembro é um mês dedicado à conscientização sobre o câncer de próstata, através do “novembro azul”. O que é a próstata e o câncer de próstata? 
A próstata é uma glândula que se situa entre a bexiga e a uretra. Ela produz o líquido seminal, líquido que tem como função levar os espermatozoides produzidos pelo testículo, durante a ejaculação, e com isso promover a fecundação. 
O câncer de próstata afeta cerca de 16% dos homens e tem uma ampla variabilidade de evolução, podendo em alguns casos ter baixa agressividade e outros mais agressivos, podendo promover a disseminação de metástases em curto intervalo. A distinção dos tumores deve ser bem estabelecida.

Os homens devem ter um acompanhamento com o urologista para fazer os exames regularmente? Ou outro médico é indicado? 
Todos os homens devem fazer um acompanhamento com o urologista para avaliar os sintomas urinários, a análise do volume da próstata, a medição do PSA e o exame de urina; além de uma avaliação dos rins que podem sofrer repercussão.

Existe algum sintoma que possa servir de alerta para a doença?
A doença inicial na grande maioria das vezes é totalmente assintomática, porque mais de 90% dos tumores da próstata se iniciam na zona periférica da próstata. 
Geralmente, quando os pacientes têm sintomas ao urinar trata-se do crescimento benigno da próstata.
Em casos avançados podem sim aparecer sintomas, sejam para urinar ou secundários às complicações.

Como é possível identificar o câncer de próstata? Quais os exames que são feitos?
O câncer de próstata inicialmente deve ser notado durante o rastreamento, através de alteração da consistência da próstata, durante o exame físico ou pela elevação do PSA.
No caso da suspeita, a doença é confirmada através de biópsia da próstata.

Existe muito preconceito por trás do exame de toque retal? Como ele funciona?
O preconceito está cada vez menor, a conscientização ajuda muito, para que o homem se cuide e coloque sua vida em 1º lugar.
O exame é muito simples e dura cerca de 5 segundos, durante o exame físico de rotina, e é totalmente indolor.

Após descoberta a doença, qual é o tratamento para o paciente?
O tratamento depende muito do estágio da doença.
Em casos iniciais, a doença é pouco agressiva, o paciente pode até ser submetido à vigilância ativa, com exames seriados.
No paciente com doença localizada e que necessita de tratamento, as opções são de cirurgia ou radioterapia.
Em doenças mais avançadas o tratamento consiste no bloqueio da produção da testosterona.

É aconselhável procurar um médico e começar a realizar os exames regularmente a partir de qual idade?
Os homens sem fatores de risco devem iniciar os exames a partir dos 50 anos.

O que aumenta o risco de ter a doença? Existe algum grupo de homens que tem mais chance de terem câncer de próstata?
Os principais fatores de risco para o câncer de próstata são genéticos.
Então, os pacientes que têm familiares com o antecedente da doença devem iniciar aos 45 anos.
A raça negra também tem risco maior da doença, portanto também devem iniciar aos 45 anos.

Dr. Guilherme Philomeno Padovani é médico graduado pela Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP, com residência Médica em Urologia por três anos, no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.

Atenção: As informações disponíveis neste site não substituem a consulta médica. Procure uma avaliação pessoal com o médico urologista.